Porque as marcas de quatrocentos e trinta anos subsistem sob o solo e nas sombras e nos segundos andares de sobrados anciãos alicerçados ...

"Monofonia a Vitória (1551 - 1981)"

3/30/2001 , , 0 Comentários


Porque as marcas de quatrocentos e trinta anos
subsistem sob o solo e nas sombras e nos segundos andares
de sobrados anciãos alicerçados por lojas comerciais;
Porque são quatrocentos e trinta anos,
Não quatrocentos homens nem quatrocentos e trinta ventos,
Mas quatrocentos e trinta anos que me empurram e que me levam
a passar por todo o supérfluo das lojas do primeiro andar
e as escadas subir e tocar em prostitutas Vitórias do amar;

Tudo em teu corpo cicatricial me leva com 430 anos
a atravessar teus homens e seus desejos de hoje
com a espada silenciosa que uso para não os ouvir
e a seus desejos de novos carros,
E deste sangue despejado em formas
compor aquilo que se foi demolido
contra o desejo não ouvido de homens mais antigos
— e tão os mesmos —
que te pisaram também esquecidos.

Sim, e algo virá do sangue silencioso que agora já corre pelas ruas
mesclando-se ao meu em minhas artérias
mais concretas do que as da parede que veda os buracos
por onde poderia brotar Vitória antiga do sangue que brotará
em mim, refugiada de tempos tão indignos dela,
Refugiada de tempos que nunca a mereceram
e à sua filosófica indiferença
pelo que passa — e tudo passa —
ao largo da alegria prazerosa
e de boa comida na pança.

E do sangue envolvido em muitas partidas para o mesmo ponto,
Envolvido em partos ao avesso feitos dentro de cada artéria,
Virá múltipla brotada em mim a mulher que desceu dos morros
para invadir o mar com lugares por muito procriados,
Virá em mim o Solar dos Monjardins
passar pela mesma rua desmemoriada
em que ingressam a FAFI, a casa do Anísio na Av. Marcos de Azevedo
e as oitocentas casas 197 e 203 da Rua José Marcelino,
Passar por tijolos aposentados que estudaram no Maria Ortiz,
        Por tijolos aposentados que lecionaram no secular Convento do Carmo,
        Por aposentados que se curaram no Convento da Penha,
Aposentados lugares que vão todos os dias — menos domingo —
ao Parque Moscoso ouvir um samba inaudível que desce das favelas
às buzinadas e invade casarões velhos sobreviventes
dos cancerígenos remédios que não respeitaram
a sujeira ancestral do Hotel Europa
e das casas das Ruas Muniz Freire e Duque de Caxias.
Aos domingos, no entanto, trabalham na Empresa Capixaba de Turismo.

Trabalham de graça na mesma empresa em que todos enriquecem,
Com exceção dos aposentados, do antigo Mercado da Capixaba
e de muitas igrejas profanadas quase que pela mesma Rádio Capixaba
que invadiu a igreja de São Francisco
e quase que pelo mesmo governo que instaurou o seu neoluxuoso Palácio
no Colégio dos Jesuítas e na pobre Igreja de São Tiago,
Igreja que Anchieta ajudou a erguer e em que foi sepultado;
E é porque a menor descaracterização descaracteriza toda a cidade
que a culpa de tudo não deixa de ser do governo e da Rádio Capixaba,
Ambos demolidores — não do caos, que é eterno —
Mas da beira de cais capixaba,
Que sobrevive em antigos retratos de sal e de pesca
tirados ao lado de tudo que foi demolido pelos irmãos hunos:
Bernardino e Jerônimo, Monteiros que — junto com D. Fernando bispo —

já-já exorcizo
para alívio das sombras que vêm envolvidas
e disfarçadas em livros perdidos e largados
que surgem, voadores de prateleiras,
E que, subitamente, quando abrem suas páginas solares,
Se tornam carregadores de sombras
que deles são irradiadas
para um papel fotográfico que se impregna e se revela.

Mas não me basta tua foto desnuda
de todos os espigões com que te revestiram,
É preciso — ó bela esquartejada — tomar as sombras
e inventar uma alma enxuta de todo corpo descrente
que não te toca enquanto não for mergulhado
no sangue silencioso de minhas artérias,
Enquanto não for restituída uma glória
que minta sobre a mentira de hoje:
A glória verdadeira de casarões-cogumelos
que límpidos cresceram do esterco e da miséria.

(Eis que alguns pedaços do Penedo dinamitado,
Cansados de beber a água salgada, podre e oleosa
pela qual o Penedo é banhado,
Foram beber água doce no que resta da Fonte da Capixaba,
Fonte de onde jorrou água e de onde jorrou o nome "capixaba",
Mas, se fonte e água ainda existem, as torneiras estão arrebentadas,
E é raiva que o Penedo bebe com a força com que bebia o mar
até a maré baixar. E diz o Penedo:
        — "Rua Barão de Monjardim, rua da Fonte da Capixaba, fica com a rua
e me dá o barão, que hoje não tem mais água, não;
Me dá um barão que suba pelo Morro do Vigia,
De onde desce, em aqueduto de telhas, a Fonte da Capixaba;
Me dá um barão que suba pelo morro que eu via
e que veja o calçamento pé-de-moleque feito pela gente escravizada;

Me dá um barão que aprecie as árvores imensas
como a angústia de Oscar apreciava;
Me dá um barão que me dê muletas
para que eu me levante sem as pernas esquartejadas;
Me dá um barão muito influente,
Pois só pela influência o Poder ouve, vê, fala e sente;
Me dá um barão que defenda Vitória da destruição total
mais do que o forte São João defendia Vitória das invasões estrangeiras;
Me dá um barão com mais glória
do que a glória do concreto armado do Edifício Glória;
Me dá um barão com muito ouro
que vá comigo ao Teatro Carlos Gomes entoar este coro:

CORO: Aterraram o contorno da ilha porque era negro e de barro,
Aterraram com terra, com edifícios e com carros;

Aterraram os teus mangues,
Aterraram os veios de lama,
Aterram os teus mangues,
Veias por onde corria teu sangue.

Eras uma terra molhada,
E hoje, que aterraram teu molho,
Terra molhada, onde estão teus mares,
Onde está teu álcool,
Onde estão teus santos bares?

Onde estão todas as coisas centenárias,
Onde estão os Caramurus e Peroás
da Igreja de São Francisco
e da Igreja do Rosário,
Onde está a procissão?"

Onde está? e só a pergunta refaz a procissão,
E só a pergunta anda pelo chão;
Mas, como perguntas não são cristãs,
Elas não rezam para deus,
E sim para seus representantes:
Estas Igrejas de Santa Luzia e de São Gonçalo,
Símbolos da decadência de uma classe dominante.

Teu povo olha pra baixo, ó bela avoada,
Envergonhado por ser igualado às outras massas
logo pela mudança na direção de passos já dados,
Logo pela demolição de teus primeiros passos,
Mas, sem base que os sustente,
Os segundos andares dançam no espaço
um balé desorbitado que levanta pescoços,
Um balé em que pesados prédios libertos reconstroem a antiga cidade
erguendo nos braços — leves bailarinas do guardado —
estampas e letras inumanamente gravadas pelo passado.)

---------
© 2001 Texto com direitos autorais em vigor. A utilização / divulgação sem prévia autorização dos detentores configura violação à lei de direitos autorais e desrespeito aos serviços de preparação para publicação.
---------

Oscar Gama Filho é psicólogo, poeta e crítico literário com diversas obras publicadas.(Para obter mais informações sobre o autor e outros textos de sua autoria publicados neste site, clique aqui)

Estação Capixaba

Estação Capixaba é o site voltado para a cultura, história e geografia do Espírito Santo e que busca resgatar, produzir, sistematizar, preservar e divulgar informações nessas áreas, sejam elas de autores locais ou não.

0 comentários :