É fácil estirar o corpo numa poltrona macia e fazer a crítica das modestas publicações do interior, observando os semanários provincianos, ...

Imprensa "Quebra-peito"


É fácil estirar o corpo numa poltrona macia e fazer a crítica das modestas publicações do interior, observando os semanários provincianos, assinalando suas deficiências de impressão, resultantes de um mau aparelhamento técnico.

Antes da incondicional preferência pelas publicações das metrópoles e do desprezo ostensivo aos esforços dos locais, conviria que se meditasse sobre as dificuldades que esses heróis anônimos enfrentam na imprensa "quebra-peito".

A falta de prelos é tamanha, no interior, que nos ocorre a certeza: se o que imprimiu o primeiro jornal do Maranhão e livros de Gonçalves Dias não estivesse recolhido a um Museu, ele poderia ser encontrado ainda hoje, funcionando em algum cafundó-de-Judas, ou, quem sabe, talvez mesmo em Cachoeiro...

Pasmo de admiração e respeito ao lembrar cenas vívidas do trabalho nos bastidores das oficinas.

Invoco a figura de Eugênio Lima, catando e escolhendo tipos grandes de madeira, para títulos e cabeçalhos dos jornaizinhos que ele gostava de fundar. Escrevia, compunha, imprimia, agenciava anúncios, e ficava no bar Belas Artes, fiscalizando, de longe, os meninos a apregoarem a venda do jornal.

Penso no Trófanes Ramos, gerente de A Cruzada e chefe das oficinas, arrancando o paletó, na hora do aperto, pegando no componidor e ajudando o Sagrilo, que cochilava, deixando dúvidas se era devido ao cansaço da noite emendada com o dia ou se por causa da garrafa de cachaça vazia, debaixo da Marinoni.

Vejo o Hermílio Rocha, de velha tarimba, a consertar as plaquetes com a pinça, traído pela miopia e falta de luz do porão das oficinas, vermelho e envergonhado por provocar um pastel, como se fora inábil aprendiz.

Lembro-me das canseiras do Solimar e Herauto de Oliveira, nas oficinas do Asilo, a catar tipos, trabalho para eles sempre maior do que o de encontrar as chaves de ouro dos seus alexandrinos.

Imagino o Pery Vieira, malabarista na confecção da Revista de Cachoeiro, ou de O Cachoeiro, jornal do Dr. Elimário, imprimindo duas vezes a mesma página, devido ao pequeno tamanho da rama da impressora.

Como me enchia de admiração o trabalho quotidiano de Hélio Ramos, ajuntando e espalhando letra por letra, imprimindo sozinho, duas vezes por semana, o Correio do Sul, anos a fio, sem esmorecimentos. Newton Braga, redatoriando o jornal, nas edições especiais da enchente do Itapemirim ou da vitória do Estrela F. C., sabia caprichar nas manchetes que o maestro Hélio era forçado a contrariar: — Esse título, Doutor, não pode ser: acabaram-se os AA...

E a nobreza dos Semprini, sacrificando o interesse da papelaria, atrasando os impressos comerciais de blocos e faturas, para mobilizar os empregados na impressão dos jornaizinhos estudantis.

Eurípedes Silva, fleumático e filósofo, caprichoso no trabalho, mas difícil de se entusiasmar. Se, então, os piaus ou piabanhas davam sinal de presença, no rio, ele podia estar com excesso de serviço, mas apanhava o anzol, metia-se na canoa e ia-se plantar nos remansos ou no meio do Itapemirim, caniço tenso, atenção concentrada na pescaria, tempo esquecido.

— Eurípedes! — gritava-lhe da margem um freguês — é trabalho urgente!

Enquanto o peixe mordesse o queijo ou a banana do anzol, não adiantava chamar.

Mas, se o serviço era algum jornalzinho crítico ou estudantil, trabalho entremeado de anedotas e pequenas brincadeiras, os peixes ficavam esquecidos; ele metia mãos à obra, com entusiasmo, e fazia prodígios como mestre do ofício.

Recordo-me de um livro que imprimimos, de Pérsio Morais: Águas Passadas... Duas páginas de cada vez, devido ao tamanho almaço da rama da impressora. Com a escassez de tipos, não era possível compor além de três páginas... E o livro saiu bonito.

Essas dificuldades são comuns aos jornais do interior: os "pasquins" dos "poetas de água doce", frutos de puro ideal, forjas do jornalismo brasileiro.


[In Crônicas de Cachoeiro. Rio de Janeiro: Gelsa, 1966. Reprodução autorizada pela família.]


---------
© 2004 Texto com direitos autorais em vigor. A utilização / divulgação sem prévia autorização expressa dos detentores configura violação à lei de direitos autorais e desrespeito aos serviços de preparação para publicação.
---------

Levy Rocha nasceu em 14 de merco de 1916, em São Felipe, então distrito de São João do Muqui. Graduado em Farmácia, residiu em Cachoeiro de Itapemirim e no Rio de Janeiro, interessando pela história de seu Estado natal. Publicou vários livros. (Para obter mais informações sobre o autor e outros textos de sua autoria publicados neste site, clique aqui)

Estação Capixaba

Estação Capixaba é o site voltado para a cultura, história e geografia do Espírito Santo e que busca resgatar, produzir, sistematizar, preservar e divulgar informações nessas áreas, sejam elas de autores locais ou não.

0 comentários :