Lá vem a Sinhá Marreca Com seu samburá na mão. Ela disse que vem vendendo Padinhas de camarão | bis | | bis |     A vel...

Sinhá Marreca


Lá vem a Sinhá Marreca
Com seu samburá na mão.
Ela disse que vem vendendo
Padinhas de camarão
| bis
|
| bis
|
   
A velha saiu da igreja
Fazendo o sinal da cruz,
Chorando porque não tinha
Aquilo que acende a luz.
| bis
|
| bis
|
   
Quem quiser dançar o miudinho
Vai na casa de "seu" Chiquinho;
Ele pula, ele dança,
Ele faz o requebradinho.
| bis
|
| bis
|


Cantiga de roda bem antiga em terras capixabas. É considerada roda velha e, por isso mesmo, vai caindo, infelizmente, no esquecimento. Se não surtir efeito a divulgação que este livrinho pretende dar, é possível que, dentro em breve, a "Sinha Marreca" tenha desaparecido totalmente do repertório das nossas rondas infantis.

É conhecida ainda em vários recantos do Estado: Vitória, Cariacica, Linhares, Alfredo Chaves, Manguinhos, Santa Teresa, domingos Martins, Guarapari, Vila de Itapemirim, Acióli e Colatina.

Variantes da 1ª quadra: "Lé vem a dona Marreca", "Ela disse que vende sardinha / Sardinhas e camarão", "Saldinhas e camarão", "Empadinhas de camarão", Sozinha de camarão", "Sozinha ela não vem não".

A velha saiu da igreja
Com seu samburá na mão,
Chorando porque não tinha
Nem padre nem sacristão.

Chorando porque não tinha
O fosfo pra acendê a luz.

Da 3ª quadra:
Lá vem o seu Chiquinho
Dançando o seu miudinho
Ele dança, ele pula,
Ele faz seus requebradinhos.

Ele toca, ele dança,
Ele faz o requebradinho.

Em certas versões, canta-se em primeiro lugar a 2a quadra. Noutras, intercalam, entre a 1ª e a 2ª, a 3ª quadrinha.

Até agora não vimos referida a "Sinhá Marreca" em nenhuma coletânea ou estudo de rondas infantis. Em Cantigas das crianças e do povo (p. 104), cita-se uma dança intitulada "O miudinho", onde se lê o seguinte verso, idêntico ao da nossa cantiga: "Quem quiser danças o miudinho". A música, porém, nada apresenta que lembre a melodia da "Sinhá Marreca".

Modo de brincar: É roda de fileira. Põem-se as crianças em fila, de mãos dadas, e de frente para a que faz de "Sinhá Marreca". Cantam todas as três quadrinhas da cantiga, enquanto a "Sinhá Marreca" faz, em mímica, tudo o que nos versos se vai dizendo: finge trazer na mão o samburá, faz o sinal da cruz, finge que chora. Por fim, ao iniciarem a 3a quadrinha, dirige-se ela, dançando o miudinho, pulando e se requebrando, até a fileira onde, postando-se em frente a uma das crianças, a escolhe para servir de "Sinhá Marreca". Recomeça-se a roda, até "enjoar". Também se brinca em roda fechada, com a "Sinhá Marreca" no centro.


[SANTOS NEVES, Guilherme (pesquisa e texto), COSTA, João Ribas da (notação musical). Cantigas de roda. Vitória:Vida Capichaba, 1948 e 1950. (v. 1 e 2).]

Guilherme Santos Neves foi pesquisador do folclore capixaba com vários livros e artigos publicados. (Para obter mais informações sobre o autor e outros textos de sua autoria publicados neste site, clique aqui)
João Ribas da Costa foi professor no interior do Estado do Espírito Santo.

Estação Capixaba

Estação Capixaba é o site voltado para a cultura, história e geografia do Espírito Santo e que busca resgatar, produzir, sistematizar, preservar e divulgar informações nessas áreas, sejam elas de autores locais ou não.

0 comentários :