Na estrada, próximo a Água Doce do Norte. Foto Gilson Soares, 2014. Saí de Ecoporanga, na primeira hora da manhã da terça-feira, 10 de ...

Homem do campo

Na estrada, próximo a Água Doce do Norte. Foto Gilson Soares, 2014.
Na estrada, próximo a Água Doce do Norte. Foto Gilson Soares, 2014.

Saí de Ecoporanga, na primeira hora da manhã da terça-feira, 10 de junho de 2014.

Qualquer viajante normalmente rumaria, dali, diretamente para Barra de São Francisco.

É o caminho mais curto, lógico e funcional.

Mas não foi o que fiz.

Não que eu queira ser ou seja, mesmo, anormal. Não.

Essa minha, aparentemente obtusa, decisão se deu por um motivo que o costumeiro leitor já deve estar cansado de saber: o meu empenho em seguir margeando a linha que faz o desenho cartográfico do Torreão. Por conta daquela admoestação que me foi feita pelo Costura de Ponto Belo – naquela noite amena de domingo (você se lembra, leitor?) em que por lá, dubitativo, vadiava e bebia –, tive que me afastar, um pouco, da borda e transpor o coração do Torreão (e da minha história): a cidade de Ecoporanga.

Pra retomar a marginalidade do percurso eu decidi, então – na transparente manhã de outono tropical – descambar pros lados de Água Doce do Norte, onde me propunha a dormir naquela terça-feira.

Na manhã seguinte transporia os costados da fronteiriça Serra dos Aimorés, passaria por Mantena – um dos contestados enclaves mineiros em solo historicamente capixaba – e só então retornaria ao Espírito Santo, em Barra de São Francisco.

Assim fiz.

Na estrada entre Ecoporanga e Água Doce. Foto Gilson Soares, 2014.
Na estrada entre Ecoporanga e Água Doce.
Foto Gilson Soares, 2014.
Ciente eu estava – quando elaborei o planejamento do dia – de que chegaria a Água Doce ainda muito cedo, mesmo parando com frequência para apreciar – e fotografar – as montanhas de granito vizinhas daquelas estradinhas que circulam – descalças, algumas – por ali.

A extensão do tempo que me foi oferecido para permanecer em Água Doce permitiu que eu realizasse com folga as três importantes tarefas que eu tinha pra cumprir ali.

Primeiro localizei a Biblioteca Pública Municipal da cidade e ofereci um exemplar de Minério para o seu acervo.

Depois procurei (e achei com facilidade) uma oficina de bicicletas.

É que a pretinha já pedia há algum tempo uma atenciosa revisão. Deixei-a aos cuidados do cara da oficina por toda a tarde.

Ele trabalhou muito bem e, o que é melhor, por um preço aquém do que eu supunha que iria gastar.

E por fim – talvez o mais importante –: fui procurar saber como sair de Água Doce do Norte, na manhã seguinte, transpondo as bordas da Serra dos Aimorés, passando por Mantena e retornando ao Espírito Santo, em Barra de São Francisco.

Que é o que eu queria fazer.

E fiz.

Se entre Ecoporanga e Água Doce do Norte eu transitei entre o conjunto de montanhas de pedra que mais me chamou a atenção durante toda esta viagem, agora, nesta manhã de quarta-feira, 11 de junho de 2014, logo depois de sair de Água Doce, eu subi (e desci) a mais extensa e íngreme serra que me foi imposta no decorrer deste pedal pelo Arco Norte capixaba.

Transpondo a Serra dos Aimorés no extremo Noroeste do Espírito Santo. Foto Gilson Soares, 2014.
Transpondo a Serra dos Aimorés no extremo Noroeste do
Espírito Santo. Foto Gilson Soares, 2014.
Naquela estradinha de chão solitária e acobertada, em boa parte do percurso, por uma mata fechada e sonora, caminhei mais do que pedalei – tanto subindo, quanto descendo – um sopé tanto longo, quanto acentuado da Serra dos Aimorés.

E assim, caminhando de mãos dadas com a magrela por aquelas escarpas pude ouvir toda a sonoridade da mata e ver cores, flores, árvores e pássaros que nunca vira.

E se não fosse assim, eu não teria visto, também, um recado – de alguém, pra não sei quem – colado ao mourão de madeira de uma cerca lateral.

– Vamos tentar ser homem do campo? Eu disse homem do campo. Campo.

Numa folha arrancada de uma agenda, um pai ou um amigo – ou um desafeto? – deixou ali uma carta aberta (tanto que eu pude ler) estrategicamente postada para o seu destinatário.

Eu, que não tinha nada com isso, li, entendi o recado, fiz o registro fotográfico seduzido pelo inusitado daquele sistema de comunicação e prossegui o trajeto anormal de percurso que escolhi para aquele dia.

Carta aberta postada à beira da estrada. Foto Gilson Soares, 2014.
Carta aberta postada à beira da estrada. Foto Gilson Soares, 2014.



---------
© 2016 Texto com direitos autorais em vigor. A utilização / divulgação sem prévia autorização dos detentores configura violação à lei de direitos autorais e desrespeito aos serviços de preparação para publicação.
---------

Gilson Soares é poeta e nasceu em Ecoporanga, no extremo noroeste do Estado do Espírito Santo, em 10 de fevereiro de 1955. (Para obter mais informações sobre o autor e outros textos de sua autoria publicados neste site, clique aqui)

Estação Capixaba

Estação Capixaba é o site voltado para a cultura, história e geografia do Espírito Santo e que busca resgatar, produzir, sistematizar, preservar e divulgar informações nessas áreas, sejam elas de autores locais ou não.

0 comentários :