Entrevistado: Ivan Espíndula Coutinho Entrevistador: Vanessa Brasiliense Vitória, 16/ 10/ 2011 Filho de Aquiles Ivan Coutinho e Maria C...

Entrevistado: Ivan Espíndula Coutinho


Entrevistado: Ivan Espíndula Coutinho
Entrevistador: Vanessa Brasiliense
Vitória, 16/ 10/ 2011

Filho de Aquiles Ivan Coutinho e Maria Carmem Espíndula Coutinho, nascido em Vitória, a 11 de 01 de 1938.
Profissão: Marítimo (aposentado)


VB: Sr. Ivan, ontem tive a oportunidade de conhecê-lo e o senhor não só me ajudou a reconhecer algumas residências do projeto de Olympio Brasiliense, como também localizá-las. Conversando com o senhor, pude constatar que se tratava da Chácara Serrat, e o senhor me disse ser neto do Serrat e Trinxet. Quem eram essas pessoas?

IEC: Maria Eulália Serrat e José Ribeiro Espíndula.

VB: Serrat da parte de sua avó?

IEC: Sim, avós maternas, de origem espanhola que vieram da Catalunha. Minha avó casou-se em Vitória, com José Ribeiro Espíndula.

VB: E seu avô? Era também espanhol?

IEC: Não, meu avô era brasileiro.

VB: Quando eles vieram, de onde? O senhor sabe?

IEC: Creio que chegaram aqui antes da 2ª Guerra. Eu os conheci, meus avós tanto de pai como de mãe. Por volta de 1955, quando eu contava meus 17 para 18 anos. Nessa época eles faleceram.

VB: Quem veio da Espanha?

IEC: Minha bisavó, D. Maria Eulália Trinxet, viúva. Acho que era casada com Emílio Trinxete, e minha avó, que também se chamava Maria Eulália Serrat Trinxet.

VB: Que atividade eles tinham na Espanha antes de se mudarem para o Brasil?

IEC: Eles possuíam uma fábrica de cristais, acho que na Catalunha.

VB: Sabe por que eles vieram?

IEC: Não sei muito bem, mas desconfio que vieram por causa da revolução que houve na Espanha, com Franco.

VB: Por que escolheram Vitória?

IEC: Acredito que foi por causa dos parentes que aqui moravam. Havia muitos espanhóis morando aqui. Parra, Trinxet, Navarro, Feu Rosa parece que eram de origem espanhola, não sei não. Os Feu Rosa eram muitos amigos dos meus avós.

VB: Onde essas famílias de descendentes espanhóis se localizaram em Vitória?

IEC: Serrat e Trinchet, no centro de Vitória.

VB: O senhor sabe que tipo de atividade desenvolveram aqui?

IEC: Meu avô, eu não sei. Meu tio Altamiro Serrat Espíndula, porém, tinha uma fábrica de velas em casa e consertava guarda chuva.

VB: Como seus avós adquiriram a chácara?

IEC: Acho eu eles tinham muito dinheiro quando chegaram aqui, porque                                                                                                                     montaram uma fábrica de cerveja, onde hoje é a Santa Casa de Misericórdia. Outro dia eu entrei na Da Casa com minha esposa,  e eu vi o quadro dessa fábrica, acho que ali na Praça Costa Pereira.

VB: Sobre a chácara, o senhor sabe da delimitação da chácara?

IEC: Acho que esta quadra, que vai  até a Rua Padre Nóbrega e a Escadaria Serrat. Essa chácara pertencia a eles. Abrangia a Rua Coronel Monjardim, Escadaria Piedade, Rua Pe. Nóbrega, Rua Aristides Navarro e Rua Uruguai.

VB: Como era a chácara?

IEC: Quando a conheci, já estava loteada. Alguns terrenos foram doados; outros, vendidos.

VB: Doaram para particulares ou para o Estado?

IEC: Não sei.

VB: Essa residência foi de seus avós?

IEC: Não, aqui foi dos meus pais. Esta residência foi meu pai quem a construiu, sempre morei aqui.

VB: Onde sua bisavó e avó moraram aqui em Vitória?

IEC: Aqui na ladeira Serrat. Onde hoje é o edifício Espíndula, nº 22, era um casarão. Eu lembro que tinha uma empregada, Virgínia Concarre, que veio da Itália e trabalhou desde os 17 anos, ficando nesse casarão até sua morte, com 96 anos. Mesmo depois do falecimento de todos, ela ficou morando no casarão.

VB: O senhor recorda de nomes de pessoas antigas que moraram na antiga Chácara Trinxet?

IEC: Temístocles, Amilcar, Messina; Jorge Boueri construiu esse edifício aí; José Serrat Espíndula, Roberto Serrat Espíndula e toda a família. Romualdo Gianordoli, falecido, que é casado com minha prima Maria Ângela Espíndula, que mora naquela casa lá.

VB: Como conheceu Olympio Brasiliense.

IEC: Eu o conheci no bar da D. Noêmia. Fernando Adinet que morou aqui, falava muito nele, inclusive ele tinha um apelido: Espanta Leão.

VB: Quem era Fernando Adinet? Onde trabalhava? Como conhecia Olympio Brasiliense?

IEC: Ele trabalhava no armazém de café da Cesmag, e faleceu com 62 ou 63 anos, não sei como conheceu Olympio Brasiliense. Lembro-me de que falava muito nele.

VB: Quais pessoas o senhor conheceu ou conhece que também conheciam Olympio Brasiliense?

IEC: Aldo Barrilário era um italiano, campeão sul americano de natação pelo Flamengo e Vicente Balbi, dono da mercearia Fluminense na Praça Costa Pereira.

VB: O Senhor conheceu ou sabe de algum projeto de Olympio Brasiliense?

IEC: Não, só o conhecia de nome e de vista no bar da D. Noêmia, bar Piraquê, que ficava ali na Ladeira São Bento e Rua Graciano Neves.

VB: O senhor mencionou um certo diário de sua bisavó, onde ele estaria?

IEC: Esse diário foi escrito em catalão por minha bisavó, onde conta a história desde que partiu da Espanha para cá. Ele foi traduzido para o espanhol e português. O original eu emprestei para meu irmão mais velho, que faleceu e a viúva não sabe onde está, mas um primo tem uma cópia.




Estação Capixaba

Estação Capixaba é o site voltado para a cultura, história e geografia do Espírito Santo e que busca resgatar, produzir, sistematizar, preservar e divulgar informações nessas áreas, sejam elas de autores locais ou não.

0 comentários :