CIDADE para Júlia Dulcinéa É bela e pura a cidade com quase um milhão de ouvidos e vegetais fluorescentes e cais e barcos e anseios...

Poemas selecionados do livro De amor à política

2/01/2016 , , 0 Comentários


CIDADE

para Júlia Dulcinéa

É bela e pura a cidade
com quase um milhão de ouvidos
e vegetais fluorescentes
e cais e barcos e anseios.

É bela e calma a cidade
brilhante, sensual e nua.
(Onde há igual transparência
que recenda a liberdade?)

É bela e bela a cidade
com suas moças douradas,
cabelos dançando ao vento.
São belos os namorados

e o rosa do pôr-da-tarde.
Sem muros que, agora, a escondam,
é bela a fragilidade
da bela cidade inerme.



SUICÍDIO SUBURBANO


eis enfim a derrocada das flores
eis que chega
o tão esperado instante da catástrofe
e há gentes
e dentes
rangendo-se pelos postes
apenas mais um instante que
passado inexistirá
pois que ser memória
é só mais um pouco
que saber manter-se ereto
o erótico
homem do século xvi
não tem como escapar também
do suicídio suburbano

ai
mas as pessoas se suicidam tão mal
onde já se viu
a dourada cabeça da moça
que passeava no jardim às 5 da tarde
estampada na folha de crimes
do jornal diário
com uma flor talvez semi-rosa
que não lhe serviu de escudo
presa aos cabelos risonhos…?

onde já se foi feito um mártir
sem a aquiescência dos eqüinos
que germinam como pulgas noturnas ..?.

diga-me
camarada irracional
passou por aqui uma moça azul
que era também um arco-íris
pendente dos cílios -.?.

passou por aqui
uma tropa de bruxas sardentas
em busca de um país a conquistar ?-.

(oui
je ne se pas parlé français)

mas um general
passou por aqui
brandindo uma espada de borracha?

camarada irracional
fica assim instituído
o direito de ser
ter-mi-nan-te-men-te proibido
assistir a filmes de marilyn monroe
sem estar em dia com o serviço militar

quando é
meu deus
que sua fotografia vai sair na capa
da manchete?.


[In De amor à política, edição mimeografada, em parceria com Oscar Gama Filho, 1979. Reprodução autorizada pelo autor.]

---------
© 2001 Textos com direitos autorais em vigor. A utilização / divulgação sem prévia autorização dos detentores configura violação à lei de direitos autorais e desrespeito aos serviços de preparação para publicação.
---------

Miguel Arcanjo Marvilla de Oliveira nasceu em Marataízes, ES, em 29 de setembro de 1959 e faleceu em Vitória, em 2009. Mudou-se com os pais para Vitória em 1964. Poeta, concluiu em 1996 o curso de graduação em Letras-Inglês na Ufes e cursou o mestrado em História na mesma universidade. Publicou diversos livros. (Para obter mais informações sobre o autor e outros textos de sua autoria publicados neste site, clique aqui.)

Estação Capixaba

Estação Capixaba é o site voltado para a cultura, história e geografia do Espírito Santo e que busca resgatar, produzir, sistematizar, preservar e divulgar informações nessas áreas, sejam elas de autores locais ou não.

0 comentários :