Para Lino Machado 1. Sob a sombra da mangueira, um rato (de si empoeirado) fuça o sumo solar da manga largada, à sorte, ao chão. ...

Conversa com sombra


Para Lino Machado


1.
Sob a sombra da mangueira,
um rato (de si empoeirado)
fuça o sumo solar da manga
largada, à sorte, ao chão.

O chão, entregue a sua generosidade,
acolhe a sombra, o rato, a manga,
e o pássaro, repentino na paisagem
desarmada, estranha. E fecunda.


2.
O rato, esquecido de si
à luz indócil do meio-dia,
não sente senão a bondade do fruto
suave sob seu escuso olhar corroído.

O que vê da manga ninguém saberia.

Colhe o fruto sem dar por isso,
mas lépido, ao som de passos,
retorna à ausência de luz.


3.
Filigranada em sombra,
a mangueira permanece,
como o chão, entregue
à ventura de seus frutos
à mão, à boca, à sombra.


4.
Do escuro cavado à sorte,
espreitam o rato e sua poeira,
inertes no cheiro acre
que só a sombra dócil,
o chão
e a manga
ignoram.



[Poema inédito reproduzido com autorização do autor.]


---------
© 2017 Textos com direitos autorais em vigor. A utilização / divulgação sem prévia autorização dos detentores configura violação à lei de direitos autorais e desrespeito aos serviços de preparação para publicação.
---------

Paulo Roberto Sodré, nascido em Vitória em 1962, é poeta, escritor, pesquisador e professor universitário de Literatura na Ufes, com vários livros e artigos publicados. (Para obter mais informações sobre o autor e outros textos de sua autoria publicados neste site, clique aqui.)

Estação Capixaba

Estação Capixaba é o site voltado para a cultura, história e geografia do Espírito Santo e que busca resgatar, produzir, sistematizar, preservar e divulgar informações nessas áreas, sejam elas de autores locais ou não.

0 comentários :