“As ideias têm um anverso e um reverso e é difícil averiguar qual é o lado em que está o cunho legítimo.” [Gregório Marañón] A citação...

Introdução ao livro Sei que me dirás


“As ideias têm um anverso e um reverso e é difícil averiguar qual é o lado em que está o cunho legítimo.” [Gregório Marañón]


A citação de Gregório Marañón, cientista, historiador, escritor e filósofo espanhol, que abre a presente introdução, exprime lindamente a essência de Sei que me dirás de Ana Cristina Costa Siqueira, a obra vencedora do Internacional Prêmio ASA 2017. Nesta obra, a função poética incide na estrutura da mensagem a potencialidade da linguagem, a conotação, a metáfora, o ritmo; em suma, a singela maneira artística de a autora expressar suas emoções.

Certas vezes, a vida nos coloca em situações complexas, desafiadoras, e aparentemente insolúveis. (...). Mas, quando buscamos literalmente encontrar soluções, proporcionando oportunidade para que o bem que vem dos olhos do coração possa enxergar a altura da barreira para transpor, nos deparamos com inusitadas conexões de “olhar e ver” a própria existência. Como algumas certezas, que fazem com que enxerguemos o todo de forma ambígua, para mais que um lado ao mesmo tempo, parecendo que é impossível, assim como transpor a grande montanha, olhar para ambos os lados; todavia, essa possibilidade nos entrega meios maiores, nos proporciona criar asas. 

E, com estas asas, desenvolvidas para que a transposição da montanha seja possível, oriundas de enxergar o bem com os olhos voltados para mais que um lado ao mesmo tempo, pudemos, neste tempo, encontrar, ao mesmo tempo, textos que compuseram um olhar bilateral nesta obra, “Sei que me dirás”, e a épica forma descrita na poesia de Ana, que nos mostra o quão alto podemos voar num prêmio intitulado ASA.

Ana, nesta desconstrução para encontrar caminhos, e ser capaz de montar novas edificações poéticas, traz com intuito extremamente peculiar uma capacidade incrível com a sua poesia, que nos toca num primeiro instante o vale presente em nós, a nossa superfície, e ao mesmo tempo, nos eleva com súbito propulsor de emoção, até o ponto mais alto da montanha.

Em “Sei que me dirás”, compreendemos o que tudo isto quer dizer, o verso pelo anverso, desfeito pelo feito, e produzido pelo conjunto do antagonismo de realidade e ficção que se fundem numa construção ímpar da poesia.

É incrível ter poesias tão estimadas neste primeiro prêmio ASA, promovido pela A.C.I.M.A., Sahar e Alternativa, nos mostrando que sim, barreiras são transponíveis, que oceanos não nos separam, que o tempo e a distância podem ser facilmente favoráveis, quando o sonho não se sonha só, e quando os olhos do coração nos proporcionam asas que nos levam cada vez mais longe.

Boa leitura!


                                                                                 Sonia Michelin – A.C.I.M.A. – Itália
                                                                         Leandro Barco – Editora SAHAR – Brasil
                                                               Rogério Filot – Alternativa Distribuidora - Brasil

---------
© 2018 Texto com direitos autorais em vigor. A utilização / divulgação sem prévia autorização dos detentores configura violação à lei de direitos autorais e desrespeito aos serviços de preparação para publicação.
---------

Estação Capixaba

Estação Capixaba é o site voltado para a cultura, história e geografia do Espírito Santo e que busca resgatar, produzir, sistematizar, preservar e divulgar informações nessas áreas, sejam elas de autores locais ou não.

0 comentários :